segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Quem errou foi você ou foi eu...

Apesar das recentes noticias e da imensa proporção que ela tomou. Me sinto obrigado, já que não existe ninguém que o faça (e nem terá), a acabar/diminuir com a grande quantidade de informação errônea que anda circulando por ai.

A Declinium não acabou,e muito provavelmente não irá.

As próprias palavras do vocalista/baixista/letrista e líder(???) da banda deixam claro isso.

"Vamos apenas dar um tempo, até não sei quando.". Bom, quando esse tempo de "não sei quando", acabar, eu sim, com certeza, não farei mais parte da quadro banda.

Já faz algum tempo que não me sinto parte da banda.

Já não mais me motiva, fazer parte de um projeto, onde você entra para somar e não encontrar alguém para dividir o mesmo caminho e enxergar o mesmo horizonte.

Já não mais me motiva, fazer parte de um projeto, onde seus valores não se enquadram mais com os atuais. Principalmente, agora que, a inversão de valores está em alta.

É muito complicado para mim, que ao longo dos meus 29 anos e meu milhões de defeitos acumulados, se permita a compartilhar algumas atitudes que ultimamente venho acompanhando.

Pois, se existe uma área onde, sou reconhecidamente chato e tento fazer o melhor, essa área com certeza é a música.

É como me disseram uma vez. "...uma guerra, que só quem lutou e morreu fui eu." Guardo isso, e tento aplicá-la sempre que posso.

Por isso que afirmo, que minha hora aqui chegou.

Agradeço imensamente a todas as pessoas que apoiaram, que se emocionaram com um pouco do meu "eu", que tentei colocar nas maravilhosas letras de Oreah nas músicas.

E externo aqui, o quanto é inexplicável ver cada um de vocês, com os olhos fechados, ou abertos, mareados de lágrimas. Aquela velha lata ou copo de cerveja ou vinho na mão.

Balançando,com os braços fechados, abraçando a si mesmo e se reconhecendo nas músicas.

Agradeço principalmente a Oreah, Fofo e Zé Raimundo, por me aceitarem nela e se permitirem a tocar sob minhas regras "rígidas", mais indispensáveis a qualquer banda iniciante. Coisa que por sinal anda muito em baixa aqui em Camaçari (é a história da inversão de valores que comentei lá em cima).

Enfim, são 13 anos de banda.

Muita gente querendo fazer parte dela.

E com certeza ela achará alguém que compartilhe essa nova fase, em que a música camaçariense vive hoje.

Declinium rules!!!

Saudações,

Jair Guimarães | mr. Guima

"Algo que você não identifica
Insiste em lhe atormentar
Você implora por proteção
Não sabe como vai acabar
Oh, crianças isso é só o fim..."

5 comentários:

Aline Oliveira disse...

Acompanho isso de longas datas. Agora é levar em conta o legado deixado.

E não nos deixemos levar pelo mau tom do alheio.

"Nem ligue, deixe o povo falar" - nossa! Que old isso! hahahahaha

Luz! disse...

=/

Traveler disse...

=/

Bete Feitosa disse...

Vc agora É MEU! kkkkkkkkkkkkkkkkk Poxa, a vida é feita de transformaçoes, axo q declinium sem vc n eh declinium, mas enfim... tudo ao seu tempo, de forma natural... =D to pensando em dar alguns de meus sábados pra vc e metermos bronca! =*** (lá ele).
ATÉ O CHÃO!

Marília. disse...

Meu trauma desde que parei de ouvir música infantil. Diria que quando comecei a ouvir rock, e quando ele mudou a minha vida, mas eu acho a palavra rock meio cafona. Lembro de ouvir muito Tristania numa época, eu era meio gotiquinha, aí a Vibeke deixou a banda. E outras pessoas foram deixando outras bandas, e isso me deixou muito triste. Eu pensava: "POR QUE MEU DEUS COMO É POSSÍVEL?". Eu só esquecia do essencial: elas são pessoas e têm vontades próprias. Ou seja, uma banda não vai continuar existindo só porque eu sou egoísta e quero que continue. Rola muito mais que isso, muito mais.

Mas, enfim, boa sorte nessa sua nova fase. Também boa sorte para os outros integrantes.

:*